Help mindat.org|Log In|Register|
Home PageMindat NewsThe Mindat ManualHistory of MindatCopyright StatusManagement TeamContact UsAdvertise on Mindat
Donate to MindatSponsor a PageSponsored PagesTop Available PagesMindat AdvertisersAdvertise on MindatThe Mindat Store
Minerals by PropertiesMinerals by ChemistryRandom MineralSearch by minIDLocalities Near MeSearch GlossaryMore Search Options
Search For:
Mineral Name:
Locality Name:
Keyword(s):
 
The Mindat ManualAdd a New PhotoRate PhotosLocality Edit ReportAdd Glossary Item
StatisticsMember ListBooks & MagazinesMineral Shows & EventsThe Mindat DirectoryHow to Link to MindatDevice Settings
Photo SearchPhoto GalleriesNew Photos TodayNew Photos YesterdayMembers' Photo GalleriesPast Photo of the Day Gallery

Lisbon, Lisbon District, Portugal - Photo Gallery

LU8-ECNGraphite : C

Alcântara, Lisbon, Lisbon District, Portugal

Dimensions: 8 cm x 5 cm x 3 cm

Sample not crystallized with 8x5x3cm - Picked up for me in June of 1985
Copyright: © Martins da Pedra      Photo ID: 40268     Uploaded by: António Manuel Ináçio Martins   View Count: 852   Approval status: Public galleries    Type: Photo - 640 x 480 pixels (0.3 Mpix)

EWG-M46Thomsonite

Multiple photos available
Lisbon, Lisbon District, Portugal

Collected in 2005 at Alto dos Moinhos, Restelo (near Monsanto).
Field of view ~ 30 mm.
Collection and photo Rui Nunes.
Copyright: © Rui Nunes 2005      Photo ID: 44787     Uploaded by: Rui Nunes   View Count: 608   Approval status: Public galleries    Type: Photo - 677 x 488 pixels (0.3 Mpix)

5PX-DFNCalcite : CaCO3

Campolide, Lisbon, Lisbon District, Portugal

Dimensions: 6 cm x 4.5 cm x 3 cm

Sample crystallized with 6x4,5x3cm - Picked up for me in May of 1989
Copyright: © Martins da Pedra      Photo ID: 49659     Uploaded by: António Manuel Ináçio Martins   View Count: 464   Approval status: Public galleries    Type: Photo - 385 x 463 pixels (0.2 Mpix)

W30-1QACalcite : CaCO3

Campolide, Lisbon, Lisbon District, Portugal

Dimensions: 7.5 cm x 7 cm x 4.5 cm

Sample crystallized with 7,5x7x4,5cm - Picked up for me in May of 1989
Copyright: © Martins da Pedra      Photo ID: 49661     Uploaded by: António Manuel Ináçio Martins   View Count: 340   Approval status: Public galleries    Type: Photo - 494 x 456 pixels (0.2 Mpix)

JQM-7UCCalcite : CaCO3

Campolide, Lisbon, Lisbon District, Portugal

Crystal crust in field with 3,5x2cm - Self-collected in May of 1989
Copyright: © Martins da Pedra      Photo ID: 68850     Uploaded by: António Manuel Ináçio Martins   View Count: 291   Approval status: Public galleries    Type: Photo - 411 x 406 pixels (0.2 Mpix)

216-N86Palygorskite : (Mg,Al)5(Si,Al)8O20(OH)2·8H2O

Campolide, Lisbon, Lisbon District, Portugal

Dimensions: 9 cm x 7 cm x 0.5 cm

(Paper Stone)- Plate sample with 9x7x0,5cm - Self-collected in May of 1989
Copyright: © Martins da Pedra      Photo ID: 87644     Uploaded by: António Manuel Ináçio Martins   View Count: 606   Approval status: Public galleries    Type: Photo - 860 x 587 pixels (0.5 Mpix)

RD8-AHUPalygorskite : (Mg,Al)5(Si,Al)8O20(OH)2·8H2O

Campolide, Lisbon, Lisbon District, Portugal

Dimensions: 8 cm x 8 cm x 0.5 cm

(Paper Stone)- Plate sample with 8x8x0,5cm - Self-collected in May of 1989
Copyright: © Martins da Pedra      Photo ID: 87645     Uploaded by: António Manuel Ináçio Martins   View Count: 543   Approval status: Public galleries    Type: Photo - 817 x 666 pixels (0.5 Mpix)

959-W8VKaolinite : Al2(Si2O5)(OH)4

Campolide, Lisbon, Lisbon District, Portugal

Dimensions: 3.5 cm x 3 cm x 3 cm

Sample with 3,5x3x3cm - Self-collected in May of 1989
Copyright: © Martins da Pedra      Photo ID: 107673     Uploaded by: António Manuel Ináçio Martins   View Count: 563   Approval status: Public galleries    Type: Photo - 646 x 550 pixels (0.4 Mpix)

V1G-LD0Flint

Campolide, Lisbon, Lisbon District, Portugal

Flint, field of view 50x40mm
Copyright: © Nuno Sousa 2008      Photo ID: 145112     Uploaded by: Nuno Bento Sousa   View Count: 465   Approval status: Public galleries    Type: Photo - 800 x 603 pixels (0.5 Mpix)

Gavialosuchus Americanus Sellards var. lusitanicus

Lisbon, Lisbon District, Portugal

Crocodilo do vale de Chelas - Gavialosuchus americanus Sellards var. lusitanicus

Crânio do crocodilo - uma das maravilhas do Museu Geológico de Lisboa.
É um exemplar excepcionalmente bem conservado, que viveu no Miocénico, há cerca de 12 milhões de anos, na actual zona de Chelas (Lisboa) e que, naquela altura, era uma vasta zona alagada onde viviam, também, mastodontes e muitos dos animais antepassados dos que hoje se encontram na África tropical húmida, cujos fósseis se encontram expostos na mesma sala. O seu comprimento total devia rondar os 8 a 9 m, o que lhe conferia as dimensões de um super-crocodilo.

---

O Crocodilo do Vale de Chelas | Revista 2 do Jornal Público | 24 de fevereiro de 2013. Crónica urbana que nos fala do Museu Geológico, do crocodilo do Vale de Chelas e de mundos desaparecidos. Texto de Alexandra Prado Coelho.

"Por razões que não são relevantes para esta história, passo muitas vezes de carro por volta das sete e meia da manhã pelo Vale de Chelas e lembro-me sempre do crocodilo. Nunca o vi claro. As nossas existências coincidiram no espaço mas não no tempo - ele andou por aqui há milhões de anos quando a paisagem era, imagino, de pântanos e estranhas árvores e animais entretanto desaparecidos. Eu percorro este caminho, meio desolado ao amanhecer, passando primeiro pelos velhos palacetes, alguns já em ruínas, antigas fábricas, muitas hortas (os terrenos continuam a ser férteis), uma rotunda, uma bomba de gasolina.

Não é inteiramente verdade que nunca o tenha visto. Na realidade conheci-o, ou o que resta dele, numa das salas do Museu Geológico de Lisboa, no edifício de um antigo convento na Rua da Academia das Ciências. Trata-se de uma cabeça completa, guardada numa caixa de vidro, e é um dos vestígios mais bem conservados do que terá sido Lisboa, na zona do Vale de Chelas, quando a era de os homens dominarem o planeta ainda vinha muito longe.

Segundo o material do museu, terá sido há cerca de 12 milhões de anos que este majestoso animal - calcula-se que teria um comprimento entre os oito e os nove metros - arrastou o corpanzil por esta "vasta zona alagada onde viviam também mastodontes e muitos dos animais antepassados dos que hoje se encontram na África tropical húmida". Ali conviviam, num clima quente e carregado de húmidade, no meio de uma floresta densa, rinocerontes, hipopótamos primitivos e até o famoso tigre dentes de sabre.

Milhões de anos mais tarde, a zona do Vale de Chelas tornou-se muito procurada pelas suas areias, usadas para a construção. Por toda a área surgiram areeiros e rapidamente geógrafos portugueses, percebendo o potencial da situação, contactaram os trabalhadores destes areeiros, pedindo-lhes que os avisassem caso encontrassem vestígios que lhes parecessem interessantes. Aparecem muitos, mas o mais espetacular é o crânio do crocodilo.

No velhinho Museu Geológico, o crocodilo não está sozinho. Ali estão restos de outros crocodilos, e de dinossauros e pterosauros, e também dos nossos antepassados mamíferos de há 150 milhões de anos, mais parecidos com roedores ou insectívoros, encontrados na antiga mina de Guimarota, próximo de Leiria. Ou, muito mais antiga, uma "flor de um mar desaparecido", a crinóide, que viveu há 470 milhões de anos no fundo dos mares do Período Ordovícico e foi encontrada na zona de Valongo. Ou as primeiras flores de Portugal vindas de uma das mais antigas jazidas que se conhecem no mundo, próximo do Cercal, Torres Vedras.

Ou ainda o impressionante esqueleto de um dinossauro herbívoro, um animal com armadura e quase sete metros de comprimento (mesmo assim mais pequeno que o nosso amigo crocodilo), que viveu no Jurássico Superior, há cerca de 150 milhões de anos, nas imediações da Lourinhã. E - o animal que menos prazer me daria encontrar mas que aqui, felizmente, está fossilizado - as "baratas" (sim, são aparentemente o animal mais resistente do mundo) que viveram no Período Carbónico, há cerca de 300 milhões de anos, nas densas florestas pantanosas que nessa altura cobriam o que viria a ser o Norte de Portugal. As asas destes insectos ficaram gravadas em fósseis encontrados em S. Pedro da Cova e Pejão.

Todos estes vestígios de mundos desaparecidos convivem nas vitrines deste museu ao estilo do século XIX, a lembrar-nos que o tempo é muito mais vasto do que aquilo que tendemos a pensar.

E foi assim que aos meus olhos ensonados, nas manhãs de nevoeiro quando os faróis do carro tentam romper a muralha cinzenta e esta lhes devolve a luz ainda mais opaca, Chelas começou a parecer-se cada vez mais com a floresta húmida e pantanosa que foi em tempos.

E não me surpreenderia se, um dia, um crocodilo plácido mas implacável, com um saber vindo de uma sobrevivência de milhões de anos - semelhante talvez ao que percorre as brumas africanas no filme Tabu, de Miguel Gomes -, surgisse em frente do meu carro, talvez ali a seguir à rotunda entre o hipermercado e a bomba de gasolina."

Ref.: http://www.lneg.pt/divulgacao/noticias-institucionais/230

Photo Rui Nunes, April 2008.
Copyright: © Rui Nunes 2008      Photo ID: 159418     Uploaded by: Rui Nunes   View Count: 812   Approval status: Public galleries    Type: Photo - 1500 x 1125 pixels (1.7 Mpix)
Page 1 of 11 (1 to 10 of 103 total)
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11

Mineral and/or Locality  
Mindat.org is an outreach project of the Hudson Institute of Mineralogy, a 501(c)(3) not-for-profit organization.
Copyright © mindat.org and the Hudson Institute of Mineralogy 1993-2015, except where stated. Mindat.org relies on the contributions of thousands of members and supporters.
Privacy Policy - Terms & Conditions - Contact Us Current server date and time: May 24, 2015 16:26:35