Help mindat.org|Log In|Register|
Home PageMindat NewsThe Mindat ManualHistory of MindatCopyright StatusManagement TeamContact UsAdvertise on Mindat
Donate to MindatSponsor a PageSponsored PagesTop Available PagesMindat AdvertisersAdvertise on MindatThe Mindat Store
Minerals by PropertiesMinerals by ChemistryRandom MineralSearch by minIDLocalities Near MeSearch ArticlesSearch GlossaryMore Search Options
Search For:
Mineral Name:
Locality Name:
Keyword(s):
 
The Mindat ManualAdd a New PhotoRate PhotosLocality Edit ReportCoordinate Completion ReportAdd Glossary Item
StatisticsThe ElementsMember ListBooks & MagazinesMineral Shows & EventsThe Mindat DirectoryHow to Link to MindatDevice Settings
Photo SearchPhoto GalleriesNew Photos TodayNew Photos YesterdayMembers' Photo GalleriesPast Photo of the Day Gallery

Miguel Vacas Mine, Conceição, Vila Viçosa, Évora District, Portugal

This page is currently not sponsored. Click here to sponsor this page.
 
Latitude & Longitude (WGS84): 38° 44' 27'' North , 7° 23' 34'' West
Latitude & Longitude (decimal): 38.7411111111, -7.39277777778
Name(s) in local language(s):Mina de Miguel Vacas, Conceição, Vila Viçosa, Distrito de Évora, Portugal
Other regions containing this locality:Iberian Peninsula


Cu mine - a former producing open pit, that extracted and treated oxide copper. The deposit was exploited from 1925 to 1986 by various companies.
A drilling programme was initiated in 2015.

Vein-like to lenticular chalcopyrite, native copper and malachite in brecciated quartz veins. Known for excellent libethenite and other secondary copper phosphates.

Three contiguous mining concessions: no. 1550 Fonte da Moura, no. 1551 Monte d'El-Rei and no. 1552 Miguel Vacas.

Notes:
- Due to an administrative merger held in Jan 2013, Miguel Vacas is now in a new parish 'Nossa Senhora da Conceição e São Bartolomeu'.
- This mine is mentioned in many documents as being located at Monte dos Vieiros, Pardais.
- There are many libethenite specimens spread in private collections labeled as coming from e.g. "Estremoz", "Alandroal" and "Mostardeira" but all are most probably from the Miguel Vacas mine.



Esta mina é referida em muitos documentos como sita no Monte dos Vieiros, Pardais.

Miguel Vacas (tb localmente conhecida por Mina dos Vieiros, Cobre dos Vieiros, ...) foi uma mina de cobre explorada ativamente entre 1925 e 1986. Possivelmente a sua actividade mineira remonta ao período romano mas não existem indícios fortes que o comprovem. Na sua fase inicial a exploração do minério era efetuada através de túneis e galerias. A sua exploração a céu aberto (pela Minargol) iniciou-se em 1979.

-
Ocorrências de cobre, independentes da actividade ígnea, disseminadas.
Ocorrências de cobre, independentes da actividade ígnea, filões.
Descrição: filões quartzosos brechificados, sub-concordantes com a estrutura regional, que ocupam uma extensão de 1.600 m com rumo NNW, pendor de 70ºE e 0,80 m de possança média; mineralização pós-hercínica. Os xistos encaixantes tectonizados apresentam por vezes importantes impregnações de minerais de cobre.
Mineralizações principais: calcopirite, cobre nativo, malaquite.
Morfologias: filão, lenticular.
Rochas encaixantes: liditos, xistos.
Geologia local: Silúrico, flanco NE do grande anticlinal de Sousel-Estremoz-Alandroal.
Geologia regional: Silúrico.
LNEG/Siorminp info.

-
NOTAS HISTÓRICAS DE PROSPECÇÃO E PESQUISA (1)
A mina de Miguel Vacas foi objecto de vários trabalhos de prospecção e pesquisa mineira, desde dos tempos antigos sendo um dos trabalhos mais antigos identificados uma pequena lavra mineira a céu aberto, atribuída aos romanos. Desde do ano de 1925 até a actualidade, diversas empresas realizaram estudos e prospecção nas áreas concessionadas:
- A firma inglesa G.F. Norton & Co., durante o período de tempo 1925 a 1929, realizou importantes trabalhos de reconhecimento e preparação de exploração da mina (como a abertura de uma galeria-travessa de acesso e esgoto e no extremo, onde foi localizado um filão, foram abertos mais de 1000 metros de galerias de reconhecimento. Também foram abertos três poços para efeitos de extracção e de ventilação. A firma não iniciou a exploração da mina, provavelmente devido à depressão económica de 1929 a 1931.
- Em 1948/1949 uma firma americana, a American Smelting and Refinig realizou um estudo simplista e sumário da estrutura do jazigo no seu afloramento, e para verificar a continuidade da mineralização em profundidade procedeu à abertura de 3 furos de sondagem (em perfis muito próximos), tendo intersectado a estrutura filoniana a 151 e 240 metros. A firma acabou por abandonar os trabalhos.
- Duas modestas empresas mineiras nacionais realizaram alguns desmontes de rapina, durante os anos de 1950 a 1953, vendendo os concentrados obtidos à CUF. Através de técnicas de beneficiação gravítica (gigagem e mesas), das 6000 toneladas de ROM extraídas com teor médio de 2,0% de cobre, obtiveram-se 369,568 toneladas de concentrado com teor médio em cobre a 24,9%, segundo os relatórios anuais provindos da Directoria Técnica.
- De 1956 a 1979 estas concessões foram detidas pela EMIL - Empresa de Mineração, SARL. No ano de 1965, a EMIL estabeleceu um acordo com a empresa canadiana Mining Exploration International (MEI), tendo sido realizada a mais importante campanha de investigação e reconhecimento de Miguel Vacas, tendo sido realizados os seguintes trabalhos:
. Prospecção geoquímica de superfície, ao longo da linha de afloramentos;
. Levantamento geológico da superfície na zona dos afloramentos;
. Reconhecimento superficial, por meio de sanjas, da zona central do jazigo;
. Vinte sondagens que perfazem 4093 metros e que atingem profundidades entre os 60 e os 330 metros;
. Levantamento geológico dos trabalhos de interior, com recolha de amostras visando a determinação do teor médio;
Após a realização destes trabalhos a empresa abandona o projecto por aparentemente ter concluído a sua não economicidade.
- Em 1979 a EMIL foi adquirida pela MINARGOL – Sociedade Mineira de Argozelo, SARL. No mesmo ano, iniciou-se a delineação e desenvolvimento de um projecto mineiro para a extracção da porção oxidada do Jazigo de Miguel Vacas, com teores de cobre enriquecidos supergenicamente. A extracção do minério foi realizada por desmonte a céu aberto, a partir de corta com degraus direitos. A beneficiação do minério foi realizada por meio de lixiviação em pilha, seguida por recuperação electrolítica, método facilitado pelo estado oxidado do minério. A mina esteve em actividade até 1986, tendo sido extraídos no total 215.000 toneladas de tal-qual, que facultaram 481,3 toneladas de cobre metal.
Cerca de 1990 a firma inglesa Carnon Holdings Limited realizou diversos trabalhos de prospecção, pesquisa e avaliação na área de Vila Viçosa - Alandroal, com particular atenção ao jazigo de Miguel Vacas. A firma procedeu a análise e reavaliação dos dados existentes relativamente ao jazigo, realizando-se uma estimativa dos recursos cupríferos ainda não explorados. Foram calculados, para Miguel Vacas, recursos geológicos totais de cerca de três milhões de toneladas de minério com um teor médio de 1,42% de cobre (englobando minério oxidado e minério sulfuretado).
Entre os anos de 1996 a 1998 a empresa Auvista Minerals NL realizou 3 sondagens, sendo o objectivo de uma delas reproduzir a sondagem MV-7 (uma das sondagens realizadas pela EMIL), tendo sido realizada a 60 metros desta, com a mesma orientação, e com o objectivo de intersectar a possível extensão para a superfície da mineralização da sondagem MV-7. Essa mesma sondagem intersecta a brecha mineralizada de Miguel Vacas entre os 154 e os 182 metros. A empresa suspeita que a rocha vulcânica que é intersectada a partir dos 185 metros tenha actuado como fonte de mineralização.
Entre os anos de 1998 a 2000, a empresa Prominas - Geologia e Minas, Lda., realizou uma interpretação metalogenética por observação geológica detalhada da corta da mina de Miguel Vacas. Concluíram a existência de duas gerações de mineralização: 1- mineralização mais antiga, do tipo “Stratabound”, sendo os liditos dobrados a litologia hospedeira; 2 - Mineralização mais recente de Cu ± Au, confinada a uma zona com 20 a 30 metros formada por brecha granular, quartzo calcedónico criptocristalino com uma estrutura externa tipo “Stockwork”. Consiste num “Gossan Boxwork”, com quantidades de ferro variável e minerais de cobre secundários. Esta estrutura está instalada numa “Shear Zone”.
A Rio Narcea Gold Mines, S.A., entre os anos de 2005 e 2007, realizou vários trabalhos de prospecção e pesquisa (análises de litogeoquímica, amostragem em canal e reanálise de sondagens) mas, face aos resultados, mas optou por não dar seguimento a mais trabalhos de prospecção e pesquisa na área da Mina de Miguel Vacas.
(1) Gustavo Pereira Fernandes: Mineralizações de Cobre da Mina de Miguel Vacas: Caracterização Petrográfica e Geoquímica. Mestrado em Geologia Económica, Universidade de Lisboa, Faculdade de Ciência, Departamento de Geologia. Lisboa, 2012.

Mindat Articles


Portuguese Ossa-Morena Zone Mining - By Martins da Pedra http://www.mindat.org/article.php/1631
Miguel Vacas Mine - By Martins da Pedra http://www.mindat.org/article.php/1740

Mineral List


45 valid minerals.

The above list contains all mineral locality references listed on mindat.org. This does not claim to be a complete list. If you know of more minerals from this site, please register so you can add to our database. This locality information is for reference purposes only. You should never attempt to visit any sites listed in mindat.org without first ensuring that you have the permission of the land and/or mineral rights holders for access and that you are aware of all safety precautions necessary.

References

Alguns aspectos da indústria extractiva de cobre em Portugal, Costa, L.R. e Goinhas, J.A.C.; Boletim de Minas, Lisboa 25 (2) Abr/Jun 1988, p. 167-175.

Rewitzer, C. and Marques de Sá, J.P. (1998): Die Miguel Vacas Mine: Eine Kupferlagerstätte im Süden Portugals. Lapis 23(5), 13-23.

Braithwaite, R.S.W. and Ryback, G. (1994): Reichenbachite from Cornwall and Portugal. Mineralogical Magazine, 58, 449-454.

M.M. Abreu, M.J. Matias, M. Clara F. Magalhães, M.J. Basto: Impacts on water, soil and plants from the abandoned Miguel Vacas copper mine, Portugal; Journal of Geochemical Exploration, Elsevier, February–March 2008.

Mineralizações de Cobre da Mina de Miguel Vacas: Caracterização Petrográfica e Geoquímica, Gustavo Pereira Fernandes [Mestrado em Geologia Económica (Especialização em Prospecção Mineral)]. Universidade de Lisboa, Faculdade de Ciências, Departamento de Geologia. 2012.

Alves, P. (2016) Beyerita y waylandita de la mina Miguel Vacas (Vila Viçosa, Évora, Portugal). Acopios, 7: 9-20.

External Links


Mineral and/or Locality  
Mindat.org is an outreach project of the Hudson Institute of Mineralogy, a 501(c)(3) not-for-profit organization.
Copyright © mindat.org and the Hudson Institute of Mineralogy 1993-2017, except where stated. Mindat.org relies on the contributions of thousands of members and supporters.
Privacy Policy - Terms & Conditions - Contact Us Current server date and time: June 29, 2017 03:14:10 Page generated: June 25, 2017 16:48:09
Go to top of page